Atividade Física na Gravidez – primeiro trimestre - ROPE - Reabilitação e Otimização de Performance
705
post-template-default,single,single-post,postid-705,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.6,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.1,vc_responsive

Atividade Física na Gravidez – primeiro trimestre

Atividade Física na Gravidez – primeiro trimestre

Nas primeiras semanas de gestação (da 1.ª à 13.ª), muitas alterações fisiológicas começam a surgir. Enjoos, sonolência, alterações de humor e falta de energia são situações que irão afetar o dia a dia da gestante e que serão importantes de gerir e minimizar.

 

Sabe-se que a prática da atividade física é uma importante “arma” para minimizar muitas destas alterações. Mas, num estado tão sensível por onde se podem as gestantes aventurar?

 

Depois de despistado qualquer problema associado à gravidez, o exercício será um ponto importante nas rotinas diárias da grávida (ainda mais se já forem fisicamente ativas) que terá vantagens, não só no estado emocional e de bem estar da mesma, mas também no controlo do aumento de peso ao longo de todo o período de gestação.

 

A procura por um profissional do exercício físico nesta fase deverá ser uma prioridade, pela orientação de todo o processo de treino de forma responsável e segura para grávida e bebé.

 

Variadíssimos estudos demonstram os benefícios que o exercício físico realizado na gravidez, traz tanto para a mulher como para o bebé:

 

Para a grávida destacamos:

 

  • Melhoria da função cardiorrespiratória, diminuindo a incidência de problemas respiratórios e circulatórios

 

  • Diminuição da pressão arterial;

 

  • Melhoria ou manutenção do sistema músculo-esquelético robusto capaz de suportar as alterações físicas que irão ocorrer ao longo do período de gestação;

 

  • Controlo de peso;

 

  • Diminuição da incidência de diabetes gestacional;

 

  • Melhoria da qualidade do sono;

 

  • Melhoria das condições para o trabalho de parto, bem como da duração do mesmo, diminuindo a sensação de dor;

 

  • Melhoria da recuperação pós-parto, com melhor retorno aos níveis de força e flexibilidade;

 

  • Promoção do bem-estar e da autoconfiança, através de uma adaptação a um estilo de vida saudável.

 

 

Para o feto destacamos a diminuição das complicações decorrentes de um trabalho de parto mais difícil.

 

É fundamental garantir que a grávida não apresenta contraindicações para dar continuidade ou iniciar a prática do exercício físico. Não apresentando, recomendamos as seguintes atividades:

 

  • Treino aeróbio: Intensidade ligeira a moderada (50 a 60% da Frequência Cardíaca de Repouso), com uma duração de trinta a sessenta minutos, três a quatro vezes por semana (ACSM, 2000). As atividades que sugerimos são: natação, caminhada e atividades de baixo impacto;

 

  • Treino de resistência: Pilates para gestantes e ginástica localizada para gestantes;

 

  • Exercícios de fortalecimento do pavimento pélvico devem ser realizados desde o início da gravidez, pois são fundamentais para diminuir o risco de incontinência urinária que se apresenta como um fator que ocorre frequentemente no 3.º trimestre e no pós-parto.

 

  • Exercícios com baixas resistências externas e com o peso corporal são também aconselhados, desde que os mesmos não representem um aumento exagerado da pressão intra-abdominal.

 

Diogo Ferraz
Preparador Físico ROPE®
No Comments

Post A Comment