Tipos de Proteínas e seu uso - ROPE - Reabilitação e Otimização de Performance
801
post-template-default,single,single-post,postid-801,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.6,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.1,vc_responsive

Tipos de Proteínas e seu uso

Tipos de Proteínas e seu uso

O consumo de suplementos, particularmente proteicos, tem tido um aumento exponencial nos últimos anos. Hoje em dia, são poucas as pessoas que nunca ouviram falar deles, mas, distingui-los é que já é uma história completamente diferente.

 

Proteína Concentrada Whey

As versões concentradas de proteína têm, por norma, valores entre os 20 e 40g por dose. Esta versão podem incluir valores variáveis de Hidratos de Carbono e Lípidos e, naturalmente, o grau de concentração da proteína pode variar entre os 29 e os 80% do peso do produto.

 

Proteína Isolada Whey

A proteína isolada possui um processo de filtração mais extenso, resultando num produto mais puro, cuja concentração proteica é, geralmente, superior a 90%, e teores diminutos ou inexistentes dos outros macronutrientes.

 

Proteína Hidrolisada Whey

Esta versão de suplemento proteico apresenta a proteína de forma fracionada , dividida nos seus monómeros (AA (aminoácidos) livres, Di-peptidos e Tri-peptidos), no entanto, existem diferenças consideráveis na subdivisão de diferentes marcas deste produto.

Alegadamente, estas formulações apresentavam vantagens na absorção intestinal e consequentes aminoacidémia, ganhos de massa muscular e recuperação pós-exercício, comparativamente à proteína concentrada, no entanto, tal facto, aparentemente, ainda não foi devidamente comprovado.

Ao que parece, esta versão parece reduzir a ocorrência de episódios de alergia às proteínas do leite, uma vez que durante o processo de hidrolise enzimática são removidos epítopos suscetíveis de causar tais episódios.

 

Proteína enriquecida em enzimas digestivas

O enriquecimento em enzimas digestivas é relatado como benéfico por alguns estudos no que toca à taxa de absorção intestinal, no entanto, é mais um dado cuja evidência é relativamente parca em responder.

 

Origem da proteína (soro, carne, ovo, soja, ervilha)

Por norma, as proteínas de origem animal apresentam vantagens sobre as de origem vegetal (na mesma dose de produto) por 3 motivos simples, embora a soja possa ser encarada como uma exceção:

  • Maiores teores de AA essenciais e mais equilibrados;
  • Maiores teores de Leucina;
  • Maior aminoacidémia mensurada.

Entre elas, apesar da proteína de soro de leite se destacar em todos os critérios, estudos a médio prazo não identificam diferenças significativas, por exemplo, no que toca ao aumento de massa muscular.

Com isto, não se quer dizer que as proteínas de origem vegetal não poderão ser utilizadas, por exemplo, no aumento de massa muscular. O que parece é que necessitam de ser consumidas em quantidade superior por forma a ter o mesmo efeito biológico do que as proteínas de origem animal.

 

Gainers

Os chamados gainersnão são mais que suplementos que combinam elevadas doses de proteína com hidratos de carbono e gorduras, igualmente em dose elevada.

Este suplemento é indicado para quem queira rapidamente aumentar a massa muscular, uma vez que contribuem não só para um balanço energético positivo diário como para a síntese proteica pós-exercício através da combinação dos HC com a Proteína.

 

Rótulo de Proteína… para onde olhar?

 

No Comments

Post A Comment